Noticias gospel internacional mostra igreja secreta na Arábia Saudita


A igreja secreta na Arábia Saudita, olha que são bem reais e mais comum que se pode imaginar.

Apesar da perseguição, igreja resiste em nome da fé

Apesar de secretas, as igrejas na Arábia Saudita são reais e têm trabalhado como podem para pregar o Evangelho numa nação que é famosa como “berço do islã”. Por lá, aqueles que se determinam pelo cristianismo encaram muitos desafios e perigos.

Todos os sauditas são julgados muçulmanos, logo, ser cristão é julgado um crime. Quem infringe à Sharia (lei islâmica) é banido de formas cruéis, conseguindo até ser morto.

Quer saber tudo de notícias gospel internacional?

Depois de tudo, o cristão saudita achou uma igreja e, com outros três amigos, de maneira regular informa de acontecimentos de comunhão e estudo bíblico. Os quatro homens têm diversos costumes e pobrezas, e mesmo assim introduziram que se adaptam no perfil dado pela igreja.

No ano passado, houve rumores de que o príncipe herdeiro Mohammad bin Salman iria “soltar a sharia” devolvendo o país mais moderado, autorizando até mesmo a construção de igrejas. O relato chegou a mencionar um em concordância entre o Vaticano e a Arábia Saudita, mas a imprensa do Vaticano negou o esclarecimento.

Afrontando a lei vigente em seu país, Abdul obedeceu a Cristo por meio de sonhos e visões. De acordo com as Portas Abertas, por várias vezes, ele sonhou que estava em frente a um trono grande. E cada sonho o levava para mais perto da pessoa que estava no trono, até ele encontrar a essência divina de Cristo.

Não muito tempo depois, um de seus anseios foi executado: ele foi batizado. Mas o batismo de Abdul, como ele citou “foi uma grande desilusão”. Ele acreditava “fogos de artifícios espirituais” e achava que viveria “uma experiência de outro mundo”.

Na verdade, ele não sentiu nada. Porém, depois de alguns dias de oração, Deus o retribuiu de um modo sobrenatural. “As palavras tiveram um enorme choque naquele instante, mas ao longo dos anos, sua fé se aumentou mais baseada na razão”.

Comments

comments

Deixe seu comentário